Arquivo de janeiro, 2010

TAH LIGADO! programa apresentado por Paulo Ragassi & Maga Lieri, todas as sextas-feiras, às 16 h pela http://www.alltv.com.br – nosso Blog – https://programatahligado.wordpress.com/ – e nosso Twitter – http://www.twitter.com/TAHLIGADO. Nesta sexta dia 29 no Programa TAH LIGADO! mais um MOMENTO NINA ROSA com Giovana Spinelli num debate super descontraído sobre gravidez na adolescencia, e o som de Dom Paulinho Lima. Paulo Lima foi Influenciado diretamente por sua mãe Dona Wilma, cronner de orquestras de baile legendárias, sob comando de grandes maestros como Branco, Silvio Mazzuca, Kojak, Erlon Chaves, entre outros. Desde pequeno, Paulinho Lima sempre foi cercado por ótimas referências, tanto nacionais como internacionais e devido ao seu instinto musical, aprendeu sozinho a tocar bateria. No ano de 1981, Paulinho subiu ao palco pela primeira vez com Lula Barbosa (3º lugar no Festival dos Festivais da Rede Globo, com a música Mira Ira). Paulinho já se apresentou com várias personalidades entre elas: Alaíde Costa, Aretha Marcos, Simonal, Simoninha, Jair Rodrigues, Filó Machado, Benito de Paula, Netinho de Paula (Negritude Junior), Célia, Wilson Sideral, Peninha, Davi Moraes, Cravo e Canella, Altamiro Carrilho, Marisa Orth (Vexame), Doug Wimbish (Living Colour), Leandro Learth (Art Popular), Peri Ribeiro, Luis Carlos Vinhas, Laércio de Freitas, Claudia, Seu Jorge, Leni Andrade, Bocato e Marcinho Eiras. Atualmente Paulinho Lima está em processo de gravação e brevemente estará lançando seu novo álbum. Não percam no programa TAHLIGADO! desta sexta dia 29 de janeiro, às 16 h pela http://www.alltv.com.br. http://www.myspace.com/dompaulinholimaoficial.

Anúncios

Está chegando o dia que o Paulistano que um dia se orgulhou e ser a “Terra da Garoa” dizer a seguinte frase: Droga! Este Sol acabou com o meu banho de chuva! Está chovendo tanto em São Paulo, que o meu sonho de consumo mudou; antes eu queria uma Harley-Davidson, pois só reclamava do trânsito caótico, hoje eu quero um Jet ski aerodinâmico, potente de alta performance e versatilidade!!  Moro em Moema, e antigamente dizia que tinha sorte por isso, principalmente nos dias de pancadas de chuva, pois só o Planalto Paulista inundava! Hoje…putz…hoje em dia de chuva não vou nem ao shopping, pois Moema se transforma numa Veneza! Nem vou dizer que a culpa é da Dona Marta Suplicy que esqueceu de fazer um escoamento d’agua quando de forma eleitoreira fez o corredor de ônibus na Avenida Ibirapuera…na verdade ela não injetou Botox no recapeamento, mas este não é um texto sobre estética corporal! È quem diria né? Um bairro da região sudeste da Capital com problemas de enchente! Como diria o meu amigo Pedro Fabrini: a culpa de tanta chuva é dos 456 anos, pura incontinência urinária né? O Datena diria que a culpa é do Kassab, aliás, mesmo que chova tão somente em São José do Rio Preto, o Datena diria que a culpa é do Kassab. Até a Sonia Abrão está contribuindo com as enchentes levando alguns caminhões pipa para o Jardim Pantanal…isso ta dando uma audiência incrível né? (#SoniaAbraoFacts). Mas há coisas boas trazidas pelas enchentes…puxa gente vamos ver as coisas por um lado positivo também né? Alguns esportes praticamente extintos em São Paulo estão virando moda como o remo nos Rios Tiete e Pinheiros e o João Havelange gostou disso! O Riacho do Ipiranga relembrando a sua tradição com seu brado “Independência ou Morte!” libertou-se, e aproveitou invadiu as faixas da Avenida Ricardo Jaffet deixando muitos amantes e frequentadores dos famosos Motéis da região molhadinhos. O PlayCenter mudou seu Slogan que sempre foi “Colorido e Animado” para “Colorido e Inundado”.  A Zona Leste que é a região que mais sofre com as enchentes, resolveu este problema contratando os serviços de um tal de Moisés, e Noé aproveitou pra ganhar um extra montando um plantão de 24 horas nas proximidades do Zoológico, e o Sol? O Sol que não venha atrapalhar o meu banho de chuva!!!

Dizem que o paulistano fala cantando, arrasta o “R”- como diz a Dani Calabresa: Arrastar o “R” é uma forma de estender a conversa – mas as pessoas querem o que? Que o paulistano fale a sua língua nativa? Se for assim vou escrever este texto em tupi-guarani! Temos uma população de descendentes de italianos, e italianos maior que a população da Cidade de Roma…É eu disse Rrrrrroma…Portanto, mais que normal a influencia da Grande Bota em nosso linguajar. O carioca, por exemplo, teve uma influencia muito grande de Portugal, o som de X talvez de algum ancestral da Xuxa! Na verdade o Carioquês (Kariokêiş) é um dialeto do Português, falado nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e nos estúdios da Globo. É extremamente odiado, por qualquer pessoa de qualquer lugar do Brasil a não ser o Rio de Janeiro. Distingue-se do Português falado no resto do Brasil por uma série de distinções. É difundido pelo Brasil através das novelas da Globo, músicas da Kelly Key, Tati Quebra-Barraco e Funks em geral. O maior sucesso atual no dialeto é Tremendo Vacilão, repleto de termos característicos. Gírias são supracitadas pelo Narrador da Sessão da Tarde, como “Essa galerinha irada arranjando altas confusões” ou “Mig, um cara descolado, no maior clima de azaração pra Fernanda, aprontando as maiores confusões”, mas isso é outra história…Ô meu! o que é mais sonoro Ibirapuera ou Ibira? Ônibus ou Buzão? Fusca ou Fuca? Bexiga ou Bela Vista? Até nossos sambas são mais sonoros, vejam as letras de Adoniran Barbosa, quer coisa mais paulista que isso? Mas todo brasileiro que vem pela primeira vez à São Paulo pensa: Eita cidade de gente louca, estressada que não dorme e nem para por nada. E o que tem de melhor em São Paulo é o… Claro que é o paulistano! Pior que isso é vocês acharem que o paulistano sempre precisa descansar, e mais uma vez cita o belo bordão: “Estou estressado! Quer sair desse caos, dessa megalópole, quer sombra e água fresca. De fato ele vai tentar realizar este sonho, pois antes de ser paulistano ele é brasileiro e não desiste nunca. Então o ser animado solicita férias em seu serviço, após isso enche o saco dizendo que é pra ontem o pacote de viagem para o agente de viagens. Depois se prepara todinho para ir ao lugar escolhido. Para tudo!
A guerra vai começar o ser animado decidiu descansar, porém parece que seu jeito já pré moldado não deixou ele fazer isso. Ele começa a ficar louco quando chega na estrada e já vê aquela pequena lentidão e começa a esbravejar:- Pata ka parel! Parece que todo mundo resolveu tirar férias junto comigo! Que zica meoo!! Orra meoo, ô povo sem personalidade e criatividade, viu?! Se isso ainda não bastasse tenho certeza absoluta que vocês pensam que é magnífico o pensamento de paulista, principalmente o masculino. Vide bula:
” Eu vou pro sul e lá se vai ver meo. As mina paga um pau pra paulista meoo, véi. Orra meo se num tem noção man!” Traduzindo: “AS MINA” são as mulheres, com o plural típico paulista (não tente utilizar na Capital paulista o que você aprendeu sobre plural nas escolas fora de São Paulo, você não será compreendido). “PAGANDO PAU”, em paulistanês, seria o ato de uma ou mais mulheres mostrar em, em olhares, gestos ou expressões corporais, que desejam sexo. E agora vocês lendo este texto vão dizer que paulista também acha que não tem sotaque algum, até ele pisar em outro lugar e ver que as pessoas também o rotulam. Irão dizer os quantos de “meo” que paulista fala em uma simples conversa? E que em paulistanês não há “s” no final das palavras no plural? Orra meu! Vocês já viram algum “s” em palavras no plural em italiano? Brincadeiras à parte, este texto tem o objetivo de simplesmente mostrar como é ruim estereotipar sotaques, dialetos, e até condutas que jamais podem ser generalizadas… então man! Vou dormir porque amanhã tem jogo do Palestra, e só jantei dois pastel e um chopps, certo truta!!

Entrevista do TAH LIGADO! para o Jornal BLEH!

Galera, leiam a excelente materia do jornalista Sergio Dias no Jornal BLEH! sobre o programa TAH LIGADO! LEIAM A MATÉRIA NA ÍNTEGRAhttp://rapidshare.com/files/240174039/Bleh_.jpg.html

http://bladobleh.blogspot.com/


Escrevi este texto em outubro de 2009, mas vamos là, pois muitos não leram: Passada a “euforia”, ou melhor o ufanismo cego do RJ-2016, vamos enxergar o Rio de Janeiro como ele na verdade é. Por favor não entendam este post como algo bairrista de um Paulistano, e nem aquela coisa idiota de rixa entre paulistas e cariocas, mas sejamos racionais, o RJ acostumou-se com um glamour que infelizmente não existe mais. Os anos 50 e 60 já se passaram há muito; não há mais um Cassino da Urca, nem bailes de gala no Copacabana Palace; playboys não desfilam mais nas areias de suas praias, e nem na noite carioca, nem tampouco é mais a Capital Federal! O Rio de Janeiro é uma cidade que tem seus encantos naturais sim, mas tem também muitos problemas: segurança, saúde, saneamento básico, problemas acho que esquecidos por nossos Governantes. O carioca parece ter esquecido seus problemas pelo menos por um dia, mas infelizmente tudo voltou como antes no quartel de Abrantes; a violência voltou às ruas, um helicóptero abatido com uma arma que na teoria deveria ser somente de uso exclusivo das forças armadas. A Revista Forbes publicou uma matéria sobre as cidades mais felizes do mundo, e advinha quem ganhou? O Rio de Janeiro! No Jornal “O Estado de São Paulo” de hoje, Lobão fala o seguinte: “Que bacana!!! Então, já que deu na FORBES, muda tudo! Eu posso até voltar correndo, varado de luz, redimido… com carimbo da Forbes de… FELIZ!!! O mais feliz do mundo!!! EEEEE! Devemos decretar  uma semana de feriado, convocar uma micareta e fechar a Vieira Souto pra comemorar esse feito! Mas, falando sério, esse tipo de felicidade me assusta um pouco. Uma felicidade meio perversa, meio postiça, meio indulgente. Tem uma bossa nova que eu fiz dizendo mais ou menos assim sobre a nossa índole, sobre nossa paisagem: “Tudo aqui descontroladamente lindo como um gol acidental… Tão suicida essa forma invertida de felicidade… E a gente continua comemorando coisa alguma sempre a sorrir”. E diz mais: “Talvez essa tal felicidade esteja nos condenando à eterna permanência da precariedade, pois aplaca nossa indignação, estupra o nosso luto, mina a vontade de sermos melhores, impossibilita qualquer tentativa de engendrar profundas e necessárias transformações da imagem que temos de nós mesmos e, infelizmente, acaba por facilitar a tal da autofolclorização, caindo na gratuidade insólita, boba e até cruel da carnavalização.” (Grifos nossos). Até sexta-feira passada 6 (seis) corpos encontrados na Favela do Fumacê, em Realengo, elevaram para 42 (quarenta e dois) o número de mortos no Rio de Janeiro, desde o inicio dos confrontos, no sábado anterior. Na terça-feira, um cadáver foi achado dentro de um carrinho de mercado, perto do Morro dos Macacos. Não são noticias que eu gostaria de ler do Rio de Janeiro, mas está é a realidade, e o povo carioca precisa parar um pouco com esse ufanismo momentâneo, pois dessa forma o Rio de Janeiro será uma Bossa Nova de uma nota só: A NOTA DA VIOLÊNCIA!

Capa do CD "LIVRE" de Andréa Sesso

Assistam ao PROGRAMA TAH LIGADO de 22 de janeiro. Rogério Duran, Psicólogo pela Universidade De São Paulo, É Orientador Vocacional e Coordenador do Nace Desde 1996, falando sobre a relação pais e filhos e a escolha profissional. Andréa Sesso cantou durante seis anos em barzinhos, festas pela região e em peças de teatro. Sempre tocou violão compôs e escreveu como hobby sem muita perspectiva em gravar suas composições.Nesse caminho, uma proposta, uma oportunidade apareceu e foi abraçada. ‘Livre’ a música mais recente na época foi a escolhida para primeira produção. Naturalmente toda a inspiração de criar, construir,resgatar pensamentos, idéias e sentimentos voaram livremente e se transformaram nesse álbum.Com produção e composições de Andréa, acompanhada de sua banda, o repertório traz samba,bossa nova,toda a variedade e a criatividade da musica popular brasileira. myspace.com/andreasesso

Paulo Lima foi Influenciado diretamente por sua mãe Dona Wilma, cronner de orquestras de baile legendárias, sob comando de grandes maestros como Branco, Silvio Mazzuca, Kojak, Erlon Chaves, entre outros. Desde pequeno, Paulinho Lima sempre foi cercado por ótimas referências, tanto nacionais como internacionais e devido ao seu instinto musical, aprendeu sozinho a tocar bateria. No ano de 1981, Paulinho subiu ao palco pela primeira vez com Lula Barbosa (3º lugar no Festival dos Festivais da Rede Globo, com a música Mira Ira). Paulinho já se apresentou com várias personalidades entre elas: Alaíde Costa, Aretha Marcos, Simonal, Simoninha, Jair Rodrigues, Filó Machado, Benito de Paula, Netinho de Paula (Negritude Junior), Célia, Wilson Sideral, Peninha, Davi Moraes, Cravo e Canella, Altamiro Carrilho, Marisa Orth (Vexame), Doug Wimbish (Living Colour), Leandro Learth (Art Popular), Peri Ribeiro, Luis Carlos Vinhas, Laércio de Freitas, Claudia, Seu Jorge, Leni Andrade, Bocato e Marcinho Eiras. Atualmente Paulinho Lima está em processo de gravação e brevemente estará lançando seu novo álbum. Não percam no programa TAH LIGADO! desta sexta dia 29 de janeiro, às 16 h pela http://www.alltv.com.br. http://www.myspace.com/dompaulinholimaoficial