RENATO RUSSO COMPLETARIA 50 ANOS NESTE SÁBADO

Publicado: 27/03/2010 em allTV, Paulo Ragassi, PROGRAMA TAH LIGADO!, Uncategorized
Tags:, , , ,

50 ANOS DE RENATO RUSSO

Neste sábado, 27, os fãs da Legião Urbana têm mais um motivo para relembrar a banda. Esta é a data em que Renato Manfredini Júnior, o Renato Russo, completaria 50 anos. Quase 15 anos após a morte do cantor, a banda, que acumula cerca de 14 milhões de álbuns vendidos, ainda é lembrada como uma das mais importantes do rock nacional – e Renato como um compositor ímpar, com letras que marcaram gerações e que até hoje mantém um fiel séquito de fãs e admiradores. Nascido no Rio de Janeiro, Renato Russo passou grande parte de sua vida em Brasília, local onde a Legião foi formada. O cantor morreu cedo, em 1996, aos 36 anos, em decorrência de complicações de saúde por conta do HIV. Logo após sua morte, os outros dois integrantes do grupo, Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos, anunciaram o fim oficial da Legião Urbana. Aos 13 anos, o cantor, junto à sua família, deixou o Rio em direção a Brasília. A contextualização da trajetória de Renato Russo com a cidade foi retratada na biografia Renato Russo – O Filho da Revolução, do jornalista Carlos Marcelo Carvalho, lançada no ano passado. O fato de Renato ter nascido no mesmo ano em que Brasília foi inaugurada atraiu o autor, que decidiu então elaborar o livro, fruto de nove anos de pesquisa e mais de 100 entrevistas. “Renato era um símbolo de um processo muito intenso que aconteceu no Brasil na segunda metade do século XX. Isso era muito simbólico, mas nada teria importância se ele não tivesse refletido esse aspecto nas suas letras, especialmente na primeira fase da Legião”, disse o autor, em entrevista ao site da Rolling Stone Brasil. Mais do que letras de amor, Renato elaborava composições engajadas, que exprimiam a realidade que não só ele vivia, mas também sua geração. “Falava de valores que eram muito importantes para jovens do Brasil inteiro. Essa habilidade que ele tinha de criar uma experiência coletiva, a partir do individual, talvez seja o que contribua para que a obra dele permaneça tão atual”, acredita Carlos, concluindo que Renato pode ser tido como “um grande cronista de seu tempo.” LEIA UM TRECHO da biografia Renato Russo – O Filho da Revolução. Artista nato, Renato permaneceu em Brasília por 12 anos, período em que exerceu diversas atividades, de professor de inglês a jornalista de rádio. Pisou em um palco pela primeira vez como ator de teatro e teve seu primeiro material publicado não em uma canção, mas em um livro de poesias marginais. “Ele tentou todos os tipos de expressão artística até se firmar no rock”, conta Carlos. Renato baseava-se no que lia, no que vivia e no que observava ao seu redor para escrever. “Essas três coisas foram essenciais para compor sobre sentimentos que eram inerentes a toda sua geração. Ao falar do eu, falava de todos. Acho que essa foi sua grande habilidade como letrista.” O amigo, guitarrista e ex-parceiro de banda, Dado Villa-Lobos, concorda com o jornalista em relação às composições do Renato. Para Dado, “a força que suas canções atingiram é o maior legado” deixado pelo cantor. “Ele conseguiu fazer com que as pessoas cantassem músicas que têm Camões e a Bíblia na mesma letra. Sem contar o privilégio que é poder ouvir aquela voz”, relembra. Marcelo Bonfá, ex-baterista da Legião, explica o talento de Renato como um dom intensificado pela formação do artista. “As coisas vinham de dentro e ele sabia manipular isso muito bem porque, acima de tudo, era um cara muito letrado.” Por meio de suas canções, Renato Russo falava de forma lírica, mas clara e universal, sobre os distúrbios da humanidade. E tais composições continuam sendo ouvidas hoje, como se tivessem sido feitas nos anos 2000. “Depois de quase duas décadas a coisa piorou bastante: desde a produção musical, do pensamento e da atitude das pessoas. Hoje, Renato estaria com muitos recursos para continuar escrevendo o que escrevia. Ele teria bastante inspiração”, fantasia, aos risos, Dado. Muitos “Renatos” –  Renato Russo era conhecido por ter um humor bastante inconstante, que oscilava entre alegria e tristeza em curtos espaços de tempo. Muitas vezes, brigas com integrantes da banda e amigos faziam parte de sua rotina. “O Renato era ‘muitos'”, argumenta Carlos Marcelo. “Na família ele era o Júnior, entre os amigos era o Renato, na sala de aula era o Manfredini e, para cada um desses, ele tinha um comportamento particular.” Marcelo Bonfá diz que essas alternâncias eram próprias da personalidade dele, mas também potencializadas pelo uso de drogas. Mesmo assim, entre os amigos, “Juninho” era um cara extremamente doce. Dado afirma guardar apenas boas lembranças, relembradas por ele todo dia 27 de março, como em um ritual. “[Lembro] principalmente dos dias de domingo, comendo cachorro-quente em casa e jogando aquela brincadeira de adivinhar, tipo mímica”. Segundo ele, nestes momentos, Renato era um cara bastante divertido, do tipo que falava besteiras o tempo inteiro, uma pessoa “leve, tranquila e engraçada”. “Mas ele tinha o lado negro, ácido do rock. As oscilações de personalidade entre o Juninho e o Russo eram enormes, e quando ele encarnava o fundo do poço era terrível”. Essas várias facetas também se manifestavam nas ambições artísticas de Renato. De acordo com Carlos, a partir de materiais e anotações encontrados no apartamento do cantor, localizado no bairro de Ipanema, no Rio de Janeiro (local mantido pela família Manfredini até hoje), Renato não se enxergava como o vocalista da Legião Urbana pelo resto de sua vida. “Ele tinha três planos: um era ser músico, depois cineasta e, por fim, escritor. Ele mesmo não encarava o rock como uma profissão que seria levada pelo resto da vida.” Legião Urbana – Não há como falar de Legião Urbana sem falar de Renato Russo. Assim como é impossível falar de Renato Russo sem citar a Legião Urbana. A banda foi formada em agosto de 1982, após o término do antigo grupo liderado por Renato, o Aborto Elétrico. Na ocasião, Russo brigou com o baterista Fê Lemos, que depois se juntou ao irmão Flávio e a Dinho Ouro Preto, formando o Capital Inicial. A primeira formação da Legião contou com Renato (que além de cantar, também atuava como baixista), Marcelo Bonfá (baterista), Paulo Paulista (tecladista) e Eduardo Paraná (guitarrista). Dado Villa-Lobos entrou em 1983, quando Paulista e Paraná saíram. O baixista Renato Rocha entrou no mesmo ano em que Dado, deixando a banda no lançamento do quarto álbum, As Quatro Estações, em 1989 – considerado o maior sucesso da Legião, tendo alcançado a marca de 1,8 mi de cópias vendidas. O legado dos treze álbuns lançados pela banda – oito de estúdio, três ao vivo e duas coletâneas -, marcou a música brasileira, com composições, em geral, de autoria do vocalista. Entre os maiores sucessos estão “Geração Coca-Cola”, “Eduardo e Mônica”, “Ainda É Cedo”, “Pais e Filhos”, “Será” e “Índios”, para citar apenas alguns. Para celebrar os 50 anos de Renato Russo, a EMI lança neste sábado, 27, o álbum Renato Russo: Duetos. O CD, idealizado por Marcelo Fróes, com o aval da família Manfredini, traz 15 gravações de Renato com amigos e pessoas de seu convívio. Apenas seis faixas são duetos póstumos, gravados em novembro de 2009: Caetano Veloso, Cássia Eller (voz editada em estúdio), Célia Porto, Fernanda Takai, Laura Pausini e Leila Pinheiro. À exceção de “Vento do Litoral”, gravada nas sessões do disco V, da Legião, todas as vozes de Renato nestes duetos inéditos são das sessões dos seus dois primeiros discos solo: The Stonewall Celebration Concert, de 1994, e Equilíbrio Distante, de 1995. Em 1997, cerca de um ano após a morte do cantor, foi lançado o disco O Último Solo, também com músicas feitas fora da Legião. Reunião –  A primeira vez em que Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos se reuniram, sem Renato Russo, foi em Montevideo, no Uruguai, em dezembro de 2008. Na ocasião, várias bandas uruguaias se juntaram para prestar uma homenagem à Legião Urbana. O repertório contava com 20 músicas da banda – todas cantadas por eles, sendo dez delas com a participação de Bonfá e Villa-Lobos. “Foi uma surpresa! O mais legal foi ver eles cantando versos tipo ‘Hoje a noite não tem lugar’, em português, com aquele sotaque”, lembra Dado. A partir de então, a dupla repetiu esse formato no ano passado, em Brasília, no Porão de Rock, com a participação dos vocais de André Gonzáles, do Móveis Coloniais de Acaju. Na virada do ano, eles foram convidados pela prefeitura de Fortaleza para fazer um show no mesmo estilo, com uma diferença: a apresentação aconteceu na praia, para um milhão de pessoas. Desta vez, quem interpretou Renato Russo foi o Catatau, do Cidadão Instigado. A dupla pretende tocar em aproximadamente sete cidades durante este ano. A ideia é fazer como das últimas três vezes: chamar um cantor local tomar o posto de vocalista. Dado explica: “Mas não é para voltar com a banda. É simplesmente para comemorar justamente esse legado todo”. No momento, ainda não há nenhuma data confirmada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s