Arquivo de junho, 2010

Montada para explorar as mais diferentes ideias de fazer humor, a comédia abdica de palavras, mas não de sons, para revelar 50 cenas cômicas sobre temas cotidianos. As sessões serão realizadas  nos dias 08/07 (quinta-feira) e 09/07 (sexta-feira), às 20 horas. A entrada é franca. São Paulo, 30/06/2010 – Nos 08/07 (quinta-feira) e 09/07 (sexta-feira), às 20 horas, o SESI Vila das Mercês apresentará, gratuitamente, o espetáculo Pequenas Caquinhas, do grupo curitibano Antropofocus™. A montagem é uma das 13 selecionadas para integrar o circuito Viagem Teatral 2010 – 1ª Temporada, promovido pela entidade em todo o Estado. Imagine uma comédia com uma hora de duração com 50 cenas, cada uma delas explorando ideias diferentes de fazer humor. A peça é resultado da pesquisa realizada pelo grupo para extrair humor de todas maneiras possíveis no teatro: seja do ator, do texto, dos elementos técnicos ou de um adereço inesperado, sempre abusando da imaginação da plateia. De acordo com Andrei Moscheto, diretor da peça, trata-se de uma comédia inteligente, que não faz uso de apelações gratuitas, como palavrões e interação ofensiva com o espectador. “Embora o nome do espetáculo seja bastante sugestivo, seu significado é menos intrigante do que parece. “Pequenas” é devido ao tamanho curto das cenas apresentadas e as “caquinhas” são referentes ao fato do grupo partir dos mais ínfimos detalhes e criar situações hilárias”, explica Moscheto. A montagem, que estreou em 2004, foi apresentada nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. Destacam-se as participações no Festival de Teatro de Curitiba, quando obteve a maior bilheteria daquele ano na mostra paralela Fringe; Festival de Sertãozinho, e no Janeiro Brasileiro de Comédia (São José do Rio Preto). Histórico – Fundado há nove anos por alunos da Faculdade de Artes do Paraná, o grupo tem por proposta pesquisar o gênero teatral da comédia. Para isso observa o ser humano e seu comportamento no cotidiano, assumindo que as ações podem ser consideradas cômicas, dependendo do prisma pelas quais são vistas. Esta premissa instigou o grupo a explorar diferentes formas de comicidade. Sua base de estudo é inspirada no trabalho de outros grupos de humor, como o inglês Monty Python, que utiliza a liberdade da linguagem nonsense; o Les Luthiers, da Argentina, com seus textos de humor refinado e jogos de palavras; o brasileiro Asdrúbal Trouxe o Trombone, com processo colaborativo de criação; e o também brasileiro Parlapatões, que pesquisa o humor no país. No ano passado, o grupo ganhou o Edital de Pesquisa de Linguagem Teatral com o projeto Psiu! A Dramaturgia do Silêncio. Sua proposta é pesquisar as possibilidades da comédia sem o uso da voz e encontrar formas teatrais que sirvam, igualmente, para ouvintes e surdos, sem distinção de conteúdo e necessidade de intérprete. O repertório do grupo conta com outras sete montagens: Amores e Sacanagens Urbanas (2000), Amores e Sacanagens: Edição Especial (2002), Esteriotipacionices (2005), Dimensão Desconhecida (2006), Porcus™ (2007) e Contos Proibidos de Antropofocus™ (2008). Ficha Técnica: Criação: Antropofocus™, Direção: Andrei Moscheto, Elenco: Anne Celli; Andrei Moscheto, Danilo Correia, Jairo Bankhardt e Marcelo Rodrigues. Sonoplastia: Célio Savi, Iluminação: Anry Aider, Produção: Andrei Moscheto, Realização: Antropofocus™. SERVIÇO: Viagem Teatral 2010 – 1ª Temporada . Informações: (11) 2946-8172

Anúncios

O grupo homenageará compositores brasileiros, como Heitor Villa-Lobos, Sebastião Nogueira de Lima, Gabriel Rebelo Gomes e Jacob do Bandolim. O concerto será realizado no domingo (11/07), às 12 horas.  A entrada é franca. São Paulo, 30/06/2010 – O Quarteto Pererê será a próxima atração do projeto Música em Cena, no Teatro do SESI – São Paulo. O repertório do grupo é destinado exclusivamente a obras de compositores brasileiros, como Heitor Villa-Lobos, Sebastião Nogueira de Lima, Gabriel Rebelo Gomes e Jacob do Bandolim. A apresentação será no próximo dia 11, domingo, às 12 horas. O concerto trará o melhor do instrumental brasileiro e privilegia a improvisação, o swing marcante e o jazz fusion – o repertório dos grupos é diversificado e inclui erudito, música brasileira e americana de diversos períodos, além de composições autorais. Histórico do grupo: A inusitada combinação de timbres e as firmes escolhas estéticas fazem do Quarteto Pererê um grupo bem original dentro do cenário da música instrumental brasileira. Numa formação pouco usual – violino, gaita, violão de sete cordas, viola caipira alternada com violão –, o quarteto coloca a tradição sertaneja em diálogo com a música de câmara de recorte erudito, do choro e do instrumental. O grupo, formado a partir das comemorações dos 80 anos da Semana de Arte Moderna, completará, em setembro de 2010, sete anos de trajetória dedicados à música instrumental brasileira – suas distâncias, ecos e imaginação. O nome Pererê vem do Tupi Antigo “Pererek” que, literalmente, significava ir aos pulos. O grupo musical é integrado pelos músicos Francisco Andrade “Kiko” (violão e viola caipira), Alessandro Ferreira da Silva (violão de sete cordas), Tchelo Nunes (violino) e Edson Tadeu (gaita).  Músicos: Alessandro Ferreira (violão 7 cordas), Edson Tadeu (gaita), Francisco Andrade (viola caipira e violão) , Tchelo Nunes (violino)

Na trilha sonora da vida do cantor, compositor, guitarrista (ele é na verdade um mulltinstrumentista), arranjador e produtor figuram, entre palcos e discos, os mais prestigiados nomes da música nacional e internacional como Michel Legrand, Paul Mauriat, Jon Hendricks,Jane Duboc, Ivan Lins, Leny Andrade, Tito Madi, Joyce, Hermeto Paschoal, Johnny Alf, Tim Maia ou Flora Purim. Seu virtuosismo e talento permitiram  que, de Ribeirão Preto, FilóMachado viajasse o mundo desde os Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Portugal, Itália, até o Japão, além de fazer parte do espetáculo “Rendez Vous Brasil/Cuba” , ao lado da saxofonista Jane Bunnet, em turnê pelo Canadá. Com canções em parceria com Djavan, Aldir Blanc, Sérgio Natureza, Taiguara, Cacaso, Cláudio Roditi, Judith de Souza, Sérgio Ricardo e Fátima Guedes, o compositor também teve a oportunidade de se apresentar nosfestivais de jazz da Córsega e Uzeste, na França,  chegando a abrir o show de Nina Simone no Festival de Jazz de Cannes. No ano de 2000 foram os norte-americanos quem mais apreciaram a boa música de Filó Machado. Seu CD “Cantando um Samba”, lançado pela gravadora Malandro Records (Ohio – EUA), colecionou elogios da crítica especializada de jazz, e até mesmo world music, em publicações de prestígio como as revistas Down Beat, Jazziz, Jazz Now e Rhythm. Além de constar na lista dos 44 títulos indicados para concorrer ao Grammy 2000 – na categoria melhor álbum de jazz latino – este disco levou Filó Machado ao palco do templo mundial da música: a convite do maestro Ettore Stratta e da produtora Pat Philips, dividiu o palco do Carnegie Hall, em Nova York, com Gal Costa, Dory Caymmi, Toots Thielemans, César Camargo Mariano, Jane Monheit, Romero Lubambo e Paula Robison, no espetáculo “40 anos de Bossa Nova”. Daí, para o Snug Harbor, em New Orleans, ou The Bird of Paradise Jazz Club, em Ann Arbor e até mesmo o Night Town, em Cleveland foi um caminho mais que natural. Afinal, a turnê americana foi a quarta do ano de Filó Machado, que também se apresentou no Canadá (no Una Mas, em Toronto), Japão (em Takasaki e Tóquio) e Dinamarca (Jazz House, em Copenhagen). Ainda em 2001, a gravadora Lua Discos lançou o CD “Porto Seguro” com músicas e interpretações inéditas de Filó Machado. O repertório,  essencialmente brasileiro, também inclui Maracangalha, de Dorival Caymmi e Maria Três Filhos, de Milton Nascimento e Fernando Brant. Nas demais faixas, o artista – acompanhado de talentos como Arismar do Espírito Santo, Léa Freire, Naylor Proveta, Robertinho Silva e Laércio de Freitas – realiza um verdadeiro desfile de “pérolas” guardadas como Novo Testamento, parceria com Nei Lopes ou Quatro Elementos, com Aldir Blanc. Atualmente Filó Machado está em fase de lançamento do CD “Jazz de Senzala”, produzido pela Maritaca, com participações especiais de Toninho Horta, Arismar do Espírito Santo, Léa Freire, Vinícius Dorin, Teco Cardoso e Thiago do Espírito Santo, além de Théo de Barros como arranjador. O artista também está prestes a lançar “Ubida”, seu segundo cd pela gravadora americana Malandro Records. Desta vez seus convidados serão Kenny Barron, César Camargo Mariano, Romero Lubambo, Teco Cardoso, Paulo Braga, Steve Turre e Nilson Matta. O AO VIVO MUSIC fica na Rua Inhambu, 299, Moema e Maga Lieri & Paulo Ragassi estarão lá para conferir um dos mais prestigiados nomes da música nacional e internacional!

Semana passada o Quinteto em Branco e Preto encheu o Grazie a Dio de gente bonita e animada, e hoje Serginho Meriti e o Samba da Laje prometem repetir o sucesso! Se você ainda não conhece os caras, precisa saber o que perdeu até agora! Se já conhece, nem preciso comentar… Garanto que vai sair de lá já querendo voltar! Então vamos?! Sobre Serginho Meriti: Sérgio Roberto Serafim é carioca de São João de Meriti, onde foi batizado Serginho Meriti. Nos anos 70, junto com Jorge Ben, fundou o conjunto Copa 7 e os Devaneios, com quem lançou dois LPs. Por meio de seu padrinho musical, Roberto Menescal, em 1989 foi para a gravadora Polygram e virou sucesso. São mais de 1.000 composições, 700 músicas gravadas por nomes como Zeca Pagodinho, Alcione, Almir Guineto, Bebeto, Bezerra da Silva, Arlindo Cruz, Leandro Sapucahy, Maria Rita, Martinho da Vila, Marcelo D2, Seu Jorge, O Rappa, Exaltasamba, entre outros. Algumas de suas composições entraram para a história da MPB, como “Quando Eu Cantar” (que ficou conhecida como “Iáiá Iáiá”), gravada por Zeca Pagodinho, e “Negra Ângela”, na voz de Neguinho da Beija-Flor, além do “hino do penta”, “Deixa a Vida me Levar”, gravado por Zeca Pagodinho e ganhador do Grammy Latino em 2003.  Sobre o Samba da Laje: Surgido há mais de 10 anos, o Samba da Laje reúne todo último domingo do mês cerca de duas mil pessoas para uma grande roda de samba com feijoada na Vila Santa Catarina, zona sul de São Paulo. O repertório vai de Noel Rosa a Zeca Pagodinho, e é no clima que fez sua boa fama em toda a cidade que o Samba da Laje vem acompanhar o carioca Serginho Meriti nas noites do Grazie a Dio! Serviço: SERGINHO MERITI com o SAMBA DA LAJE no Grazie a Dio! Rua Girassol, 67 – Vila Madalena. Horário: 22h30 (casa abre às 20h) Entrada: R$ 20; com nome na lista (lista@grazieadio.com.br) enviado até as 17h30 do dia do show, R$ 15 (homem) e R$ 10 (mulher); mulher é VIP até as 22h. Informações: (11) 3031-6568

Este ano a Dona Ivone Lara será a homenageada na 21ª edição do Prêmio da Música Brasileira. Por isso preparamos um concurso especial para celebrar suas músicas. Grave sua interpretação em vídeo de uma das canções desta grande sambista e mande para nós. São duas categorias: uma voltada para o PÚBLICO GERAL e uma outra exclusiva para FUNCIONÁRIOS DA VALE. O grande vencedor de cada categoria receberá um prêmio especial e um troféu na noite da celebração, ao lado dos grandes nomes da música brasileira! Como funciona: 1. De 7 de junho a 11 de julho os participantes enviam seus vídeos através do formulário de inscrição do blog. Neste período serão avaliados pelos organizadores. 2. No dia 15 de jullho serão divulgados no blog os 20 vídeos pré-selecionados (10 da categoria PÚBLICO GERAL e outros 10 da categoria EMPREGADOS DA VALE) 3. De 15 a 30 de julho, o público e mais 2 jurados do Prêmio da Música Brasileira votam nos melhores vídeos no blog. 4. No dia 2 de agosto serão anunciados os 3 vídeos de cada categoria – PÚBLICO GERAL e EMPREGADOS DA VALE – mais votados pelo público e pelos jurados, cujos autores irão ao Rio de Janeiro no dia 11 de agosto participar da cerimônia de premiação 5. Os dois grandes vencedores serão anunciados somente no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, durante a cerimônia do Prêmio da Música Brasileira Quem pode participar: Qualquer pessoa que goste da obra da Dona Ivone Lara. Músicos que não sejam reconhecidos na mídia. Músicos que não tenham discos gravados ou lançados por gravadoras. Empregados da Vale, que devem obrigatoriamente informar seu cargo no formulário de inscrição para concorrerem somente em sua categoria exclusiva. Regulamento, e demais informações acessem: http://www.premiodemusica.com.br/blog/?page_id=7.

Montada pela primeira vez em 2000, em Londres, “Celebration”  – aqui por nós traduzida como Celebração – foi proclamada na época como o mais hilariante e ferino trabalho dos anos recentes de Harold Pinter. Na peça, o salão de um sofisticado estabelecimento – cuja inspiração o autor buscou no histórico restaurante londrino The Ivy, que tem por tradição receber artistas e intelectuais desde os anos 20 –  é a arena na qual se digladiam personagens armados de diálogos tipicamente “pinterescos”: a fala não é meio de expressão, mas de ocultação de sentimentos. Numa das mesas desse salão, Julie e Lambert comemoram seu aniversário de casamento, acompanhados de um casal formado pela irmã dela, Prue, e do irmão dele, Matt. Em outra mesa, o banqueiro Russel celebra seu sucesso pessoal com a esposa Suki. Há também um Maitre e uma Maitresse, além de um garçom mitômano. O universo de afetação vulgar e insensibilidade grosseira em que orbitam esses personagens é pouco a pouco desnudado pela verve irônica de Harold Pinter. Em sua estréia nos palcos brasileiros, “Celebração” usa como referência as cores e caracterizações do cineasta Federico Fellini em filmes como “La Nave Vá”, “Armacord” e “Palhaços”, reforçando o clima inusitado e absurdo que perpassa o texto de Pinter. Quem assina o espetáculo é Eric Lenate, primeiro diretor “formado” no CPT (Centro de Pesquisa Teatral) de Antunes Filho. No elenco vários nomes que integram ou já fizeram parte do CPT. O espetáculo foi ganhador do 13° Cultura Inglesa Festival, na categoria Melhor Espetáculo Adulto. Atualmente a peça está em cartaz no Teatro Cultura Inglesa de Pinheiros na cidade de São Paulo. Em um restaurante refinado, encontram-se três casais que estão comemorando suas conquistas pessoais e profissionais. No mesmo cenário também orbitam o Maitre e Maitresse do restaurante, alem de um garçom mitômano que constantemente faz interferências um tanto estranhas a respeito de um suposto avô. A estética da peça segue o ritmo e cores inspiradas no universo do cineasta italiano Federico Fellini, o que, junto ao texto irreverente de Harold Pinter, resulta em um espetáculo bastante ágil, vibrante e acidamente cômico. FICHA TÉCNICA: Supervisão: Vitor Mafra; Direção: Eric Lenate; Assistência de Direção: Paula Arruda e Cristine Perón; Tradução: Domingas Person e Ivo Muller; Elenco: Adriano Suto, Alexandre Freitas, Carlos Morelli, Cristine Peron, Denise Machado, Domingas Person, Juliana Vedovato, Luciano Gatti, Pedro Guilherme e Valentina Lattuada.; Figurino: Denise Machado; Caracterização: Carlos Beltran; Cenário e adereços: Eric Lenate; Musicista e operadora de som: Ana Carolina Vedovato; Iluminação: Davi de Brito e Vânia Jaconis; Operação de luz: Vânia Jaconis; Costureira: Jô Oliveira; Programação Visual: Vitor Mafra; Fotos: Bia Ferrer. Não percam nesta sexta-feira, dia 02 de julho, a partir das 15 h o programa TAH LIGADO! pela sua, pela nossa http://www.alltv.com.br

“A Copa do Mundo é a mais nova vítima da raivosa extrema direita americana. Vários comentaristas americanos estão atacando a popularização do esporte nos EUA, dizendo que se trata de uma modalidade esportiva “de pobre”, coisa de sul-americano, resultado da crescente influência dos hispânicos no país e ligado às “políticas socialistas de Obama”. Glenn Beck, o mais famoso comentarista conservador da Fox News, compara o futebol às políticas do presidente Barack Obama. “Não importa quantas celebridades o apoiam, quantos bares abrem mais cedo, quantos comerciais de cerveja eles veiculam, nós não queremos a Copa do Mundo, nós não gostamos da Copa do Mundo, não gostamos do futebol e não queremos ter nada a ver com isso”, esbravejou Beck. Segundo ele, o futebol é como o governo Obama: “o resto mundo gosta das políticas do Obama, mas nós não.” O pessoal do Tea Party está assoberbado: xinga a expansão do governo, a reforma do sistema de saúde, duvida da certidão de nascimento do Obama…e agora, o futebol, essa coisa de estrangeiros que mancha a cultura Apple Pie. Com o bom desempenho do time americano no jogo contra a Inglaterra, os tradicionais fãs de beisebol e futebol americano estão mais entusiasmados com a Copa do Mundo. Mas isso é resultado de uma “conspiração da esquerda”, dizem os conservadores. “Futebol é um jogo de pobre”, disse o analista conservador Dan Gainor, do Media Research Center, em rede nacional: “A esquerda está impondo o ensino de futebol nas escolas americanas, porque a América está se ‘amarronzando’ (cresce o número de hispânicos). “ Para Matthew Philbin, do centro de pesquisas de direita Culture and Media Institute, “a mídia liberal sempre se sentiu desconfortável com o o excepcionalismo americano, o fato de nós sermos únicos entre as nações, sermos líderes; e os esquerdistas são contra nossa rejeição ao futebol, da mesma maneira que são contra nossa rejeição ao socialismo”. O radialista Mark Belling foi além. “Eles estão nos enfiando futebol goela abaixo”, disse Belling no programa de rádio de Rush Limbauygh, ouvido por 20 milhões de americanos.Para eles, o futebol é um esporte estrangeiro, que não pertence à cultura tradicional dos Estados Unidos. O fato é que o futebol conquistou tantos adeptos nos Estados Unidos nos últimos 10 anos que atualmente rivaliza com beisebol e basquete. Hoje em dia, mais crianças abaixo dos 12 anos jogam futebol do que beisebol, basquete e futebol americano juntos. Segundo a FIFA, os EUA têm 18 milhões de jogadores registrados.Muitos imigrantes hispânicos trouxeram a tradição de seus países e ajudaram a populiarizar o esporte nos EUA. Mas o futebol nem de longe se restringe aos hispânicos. Já existe até uma faixa demográfica apelidada de “mães do futebol” (soccer moms): mulheres brancas de classe média, que vivem no subúrbio e passam boa parte do tempo em suas mini-vans, buscando seus filhos (normalmente meninas) nos treinos de futebol.” por Patricia Campos Mello. http://blogs.estadao.com.br/patricia-campos-mello/extrema-direita-dos-eua-declara-guerra-contra-a-copa-do-mundo/