ARRIGO BARNABÉ ASSUME CURADORIA MUSICAL DO MUSEU DA CASA BRASILEIRA

Publicado: 30/08/2010 em allTV, Paulo Ragassi, PROGRAMA TAH LIGADO!, Uncategorized
Tags:, , , ,

Musico une erudito, popular e barroco na programação do Musica no Museu A programação do Musica no Museu do Museu da Casa Brasileira terá, até dezembro, a curadoria de Arrigo Barnabé.  O musico aproximou três grupos distintos: aqueles que trabalham com a música erudita produzida no séc. XX/XXI (Durum, duo Karin/Montanha, Projeto B e Daniel Murray), os que trabalham a música popular cortejando a música erudita e as experimentações (Mário Campos e Coletivo orquestral da Unicamp, Paulo Braga e Mané Silveira Quinteto) e ainda os que se ocupam de uma música mais antiga, ligados à produção do barroco (Mundo Barroco e Orquestra Arte Barroca). “Acho interessante podermos comparar as inquietações que surgem de forma transparente, no séc. XX/XXI, esses desassossegos de alma, com a música produzida no período barroco. Esta, também tem seus desassossegos de alma, suas febres, aflições e até angústias”, pontua Barnabé. Para a primeira apresentação Barnabé convidou o regente Mario Campos e sua “big band” Coletivo Orquestral da Unicamp para se apresentarem no domingo, 5 de setembro, às 11h, em um cenário agradável: o terraço do museu, em frente ao seu jardim de 6.600 metros quadrados. Ainda sob sua curadoria, em setembro, se apresentarão Paulo Braga e Big Band da Santa. Com trabalho singular na musica brasileira, Arrigo sempre trabalhou na fronteira entre o erudito contemporâneo e o popular. Nascido em Londrina (PR), mudou-se para São Paulo em 1970. Por aqui, cursou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e a Escola de Comunicações e Artes, onde fez o curso de composição, no Departamento de Musica. Na década de 70, participou do Festival Universitário da TV Cultura com a música Diversões eletrônicas. Nos anos 80, lançou seu primeiro álbum, Clara Crocodilo e compôs a Saga de Clara Crocodilo para a Orquestra Sinfônica Juvenil do Estado de São Paulo e grupo de rock. Na mesma década, obteve reconhecimento internacional com seu segundo disco, Tubarões voadores, eleito pela revista francesa Jazz Hot como um dos melhores do mundo. Lançou o LP Cidade oculta e recebeu prêmio de melhor trilha sonora no Riocine Festival, pela musica do filme Cidade oculta, de Chico Botelho e no Festival de Cinema de Brasília DF, ganhou o prêmio de melhor trilha sonora, pelo filme Vera, de Sérgio Toledo. Nos anos 90, participou de shows com Itamar Assumpção por todo o Brasil, apresentou-se no Podenville, em Berlim (Alemanha), lançou mais um álbum, Façanhas e sua peça Nunca conheci quem tivesse levado porrada, para a Orquestra Jazz Sinfônica, banda de rock e quarteto de cordas, teve apresentação no Memorial da América Latina, em São Paulo. Barnabé ainda participou do Primeiro Festival de Jazz e Música Latino-Americana, em Córdoba, Argentina. No Teatro Municipal, de São Paulo, apresentou sua peça Musica para dois pianos, percussão, quarteto de cordas e banda de rock e lançou o CD Ed Mort, do selo Rob Digital, trilha sonora do filme de mesmo nome, dirigido por Alain Fresnot.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s