ROCK AND ROLL COM O APOKALYPSIS NO BAGAÇA! BOTEQUIM & PETISCARIA

Publicado: 19/09/2010 em allTV, Paulo Ragassi, PROGRAMA TAH LIGADO!, Uncategorized
Tags:, , , , ,

A banda Apokalypsis, comandada pelo músico Zé Brasil, fará seu show dia 21 de setembro no mais novo espaço para a boa música o Bagaça! Botequim & Petiscaria.  O Bagaça chega com a pretensão de ser um misto entre o antigo Villaggio Café, o Valadares e o Bar do Luiz. A SAGA DE ZÉ BRASIL E SILVIA HELENA –  ESCRITO POR ZÉ BRASIL:  Zé Brasil é um brasileiro paulistano de 56 anos, com pais aparecidenses do Vale do Paraíba, estado de São Paulo. Família de classe média, quatro irmãos homens, vive a infância e adolescência no bairro de Cerqueira Cezar em São Paulo, Capital. Cursa o primário e o ginásio em colégio de freiras americanas. É arquiteto formado, descendente de músicos e políticos: avôs mineiro e paulista, bisavó bugre casada com português. Músico desde criança, começa com a professora de piano aos 7, violão aos 12, bateria aos 15, história da música com Valter Lourenção no MASP aos 18, viola caipira aos 22, também com 22 violão clássico com Henrique Pinto e música na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, piano com Ricardo Breim e música com Lea Freire no CLAM aos 25, composição e regência na FIAM aos 27, arranjo aos 31 com Nelson Ayres, e continua, graças a Deus, aprendendo, cantando, tocando e compondo até hoje. Aos 15 anos reúne-se com seus amigos em conjuntos de bossa nova, rock e jazz. Toca bateria nas festinhas e casas de colegas de escola, como a do cineasta Ricardo Lua, e em alguns eventos amadores. Em 1968 Zé Brasil, já na Faculdade de Arquitetura Mackenzie, participa do “Movimento Estudantil” contra a ditadura. Conhece e se torna amigo dos “Tropicalistas”, principalmente de Waly Salomão, Gilberto Gil e Caetano Veloso. Através do pintor Antonio Peticov conhece o roqueiro Nico Pereira de Queiroz que tem muitos discos importados de Jimi Hendrix, Janis Joplin, Grateful Dead, Jefferson Airplane, etc. Com Toninho, como Peticov era tratado pelos amigos, vai à noite mostrar os discos do Nico para os “Tropicalistas” no apartamento de Caetano na Avenida São Luiz onde há um ótimo equipamento de som. Também quase todas as madrugadas o grupo se reúne no apartamento de “Bocha”, no bairro de Higienópolis, uma senhora uruguaia que recebe todos muito bem e os apresenta para pessoas como o jornalista José Simão e o cineasta Walter Hugo Khoury. Peticov e Zé Brasil, na casa deste na Rua Padre João Manuel, criam e produzem as faixas de pano para os Festivais do Teatro Paramount com a aprovação dos baianos Gil, Caetano e Gal. Essas faixas são empunhadas na platéia com frases como “Abaixo o Poder Velho, viva o Poder Jovem”. Naquela atmosfera mágica dos grandes “Festivais dos Anos Sessenta” Zé Brasil torce e vibra muito pelas músicas dos “Tropicalistas” como Tom Zé: “São, São Paulo” vence. Freqüenta os ensaios e os programas “Divino Maravilhoso” na TV Tupi e conhece os Mutantes. Chega ao apartamento de Caetano pouco tempo depois da prisão do poeta baiano. Está presente, chorando e consolando as famílias dos dois amigos, na emocionante despedida de Gil e Caetano no Teatro Castro Alves em Salvador, Bahia, em 1969. Sua vida, daí para frente, nunca mais vai ser a mesma. No auge da psicodelia dos “hippies” acontecem saraus musicais na casa do baixista Tany Gubernikoff, amigo de Peticov, e Zé Brasil conhece e toca com Marcelo Aranha e Lanny Gordin. Com o Grupo Brasil, formado por músicos e músicas, ensaia e grava na sala de visita da casa da Rua Padre João Manuel e chega a se apresentar no Colégio Equipe e no Teatro Oficina. Zé Brasil inicia sua carreira de músico profissional em 1972 cantando e tocando bateria, como Zé da Batera, no grupo Tigres da Noite na “Última Peça” de Zé Vicente no Teatro Vereda em São Paulo, com Ricardo Petraglia, Ezequiel Neves, Clóvis Bueno, Cláudio e Sérgio Mamberti. Ainda em 1972 participa como baterista da peça “Fernando Pessoa” no Teatro Ruth Escobar com Jamil Maluf, Murilo Alvarenga, Edú Viola, Goulart de Andrade, Jandira Martini, João José Pompeu e Ariclê Peres dirigidos por Silnei Siqueira. Participa dos programas de TV “Encontro” na TV Cultura com Nídia Lícia, “Hebe” com Hebe Camargo na TV Record e “Clube dos Artistas” com Airton e Lolita Rodrigues na TV Tupi. Estréia como Zé Brasil no Teatro Brasileiro de Comédia apresentando-se no show “A Pesada do Rock” produzido pelo guitarrista argentino Cacho Valdez (Beat Boys). Seu conjunto, o Grupo Brasil, conta com os músicos Luiz Chagas (Itamar Assumpção), Prandini (Guilherme Arantes), Iphe (Amelinha) e Dado. Nesse mesmo ano participa como baterista de um trio elétrico pioneiro que percorre algumas das principais avenidas de São Paulo por ocasião da mudança da Escola Politécnica da USP, da sua antiga sede na Avenida Tiradentes, para a Cidade Universitária no Butantã. Os outros participantes são Tadeu Passarelli (Raíces de América), Max Resende e Edú Viola. Em 1973 participa do “Festival de São Lourenço” (São Lourenço, MG), toca e faz amizade com Arnaldo Baptista. Vai para os EUA. Viaja 5.000 milhas de carona de carro, caminhão e até avião. Vai de Miami até Nova Iorque e depois, “coast to coast“, até São Francisco. Viaja como Bob Dylan, “on the road”, com a viola caipira debaixo do braço. Canta e toca nas ruas, bares, “coffee-houses” e “night-clubs” de São Francisco. Vive de música. Quando volta ao Brasil, ainda em 73, funda a Space Patrol com Arnaldo Baptista, que tinha acabado de deixar os Mutantes. O nome é sugerido por Alan Kraus, técnico de som, inclusive do “Festival de Woodstock” segundo o Arnaldo, e que começa como guitarrista da banda. Em shows no Parque do Ibirapuera, São Paulo, já com Marcelo Aranha na guitarra, a Space Patrol apresenta pela primeira vez o repertório do LP “Arnaldo Loki? Baptista” gravado em 1974 por Arnaldo, Dinho e Liminha, com a participação de Rita Lee e os arranjos de Rogério Duprat. O show de Aniversário da Cidade de São Paulo no Parque do Ibirapuera em 1974, promovido e apresentado pelo Magnólio, apresenta a melhor performance da Space Patrol com Zé Brasil abrindo o “set” cantando e tocando suas músicas com a viola caipira. Na seqüência, o trio Arnaldo, Marcelo e Zé tocam para mais de 25.000 pessoas, segundo a imprensa, que provocam até um congestionamento de trânsito em volta do emblemático monumento das Bandeiras no entorno do parque. Arnaldo toca órgão, sintetizador, clavinet, faz o baixo na pedaleira, assume o contrabaixo em algumas músicas transformando a Space Patrol em power-trio com a guitarra de Marcelo Aranha e a bateria do Zé Brasil. Os ensaios na Serra da Cantareira acontecem, praticamente, todos os dias. Todos colaboram nos arranjos. A inspiração e o sentimento do Arnaldo sempre trazem novas músicas para a banda. As casas do Arnaldo, do Sérgio e do irmão mais velho Cláudio Cézar (“luthier” dos instrumentos e criador do equipamento dos Mutantes) ficam próximas, no mesmo terreno. Os Mutantes, com Sérgio Dias e Liminha, e o Tutti-Frutti com Rita Lee também ensaiam na Serra. “Jam sessions” acontecem com os músicos da Space Patrol, Mutantes e Tutti-Frutti. Zé Brasil tem a oportunidade de fazer amizade e tocar com Liminha e Lee Marcuci. Com Sérgio Dias, na casa dele, chega a improvisar na viola caipira enquanto o Mutante dedilha sua cítara indiana. Além das duas apresentações da Space Patrol no Parque do Ibirapuera, acontece a última tentativa frustrada na cidade mineira de São Lourenço. É uma espécie de “farewell show” que não se concretiza. Mas nem por isso deixa de ser um evento bem no estilo do Arnaldo Baptista. Naqueles dias Zé Brasil sobe e desce a Serra da Cantareira quase todos os dias com uma Variant azul. É com ela que, numa noite de 1974, com os instrumentos e os músicos, a Space Patrol sai para tocar no “Festival da Saúde Perfeita em São Lourenço” cidade em que, um ano antes, Zé Brasil encontra e faz amizade com Arnaldo Baptista. Coisas do destino: é lá também que Lucinha Barbosa o encontra pela primeira vez no Festival de 1973. As curvas da Cantareira não são como as da Estrada de Santos e Zé Brasil bate antes de chegar ao pé da Serra. A viatura tem que ser trocada. A Variant fica na oficina e a trinca vai com o “Fusquinha” amarelo do Marcelo Aranha que tem, como ele lembra quando reencontra Zé Brasil em 2005, um adesivo escrito “Have a nice day”. Tudo muito bom, tudo muito bem como canta o Evandro Mesquita, até que recebem um sinal para parar num posto da Polícia Federal, na Dutra. O “pacotão” está aberto, sendo mais do que utilizado, e a paranóia dos anos setenta se instaura. Zé Brasil não pára, acelera o que pode naquela “máquina quente” e vai pela Estrada Velha até a Estrada de São Lourenço, numa escapada digna de um “road movie” tupiniquim. Antes disso o astral da viagem é tão bom que Zé Brasil compõe o “Rock de Taubaté” como homenagem ao Vale do Paraíba, Sagrada Terra da Senhora Aparecida e torrão natal dos pais dele, enquanto o Marcelo e o Arnaldo pesquisam os efeitos de duas atividades aparentemente estanques: respiração com auxílio de vegetal e viagem em veículo movido a combustível fóssil. O único que consegue se apresentar no Festival é Zé Brasil, num singelo show acústico com a viola, no Parque das Águas. Arnaldo & Space Patrol, que estão previstos para se apresentar junto com Mutantes e Rita Lee (?) no Ginásio Municipal, frustram o público por um motivo que até hoje não está bem esclarecido. Coisas de um tempo bom e louco que deixa saudades e não volta mais. Zé Brasil também participa de “jam sessions” nas “Sessões Malditas” de sexta-feira no Teatro Oficina, São Paulo, tocando com músicos como Sérgio Dias e Liminha dos Mutantes e Sérgio Kaffa (Scaladácida). Em meados de 74 Zé Brasil deixa a Space Patrol e cria o Apokalypsis, com Prandini (guitarra, viola caipira, sax e flauta), Tuca Camargo (piano) e Edú Parada (baixo). São contratados por Fernando Tibiriçá, da produtora “Trinka Produções Brasileiras”, e depois por Gabriel Neto ex-empresário do Terço. O conjunto é considerado uma das revelações do Rock Brasileiro nos anos setenta e atualmente está lançando o CD “1975” pelo selo “Natural Records” com um show gravado ao vivo por Pena Schmidt no Teatro Bandeirantes em 11 de outubro de 1975. O tecladista Rafael Blóes substitui Tuca Camargo (Som Nosso de Cada Dia) no início daquele ano. Zé Brasil e o Apokalypsis participam dos acontecimentos emblemáticos da época: shows em São Paulo no Parque do Ibirapuera, na Tenda do Calvário, no TUCA, no Teatro Aquarius, no Teatro da FGV, no Teatro Bandeirantes, no “Festival Banana Progressiva”, no Opus 2004, no “Festival de Águas Claras” (Iacanga, SP), no “Rock da Garoa” do Maracananzinho (Rio de Janeiro, RJ), programa “Kaleidoscópio” na Rádio América com Jaques Gersgorin, programa “Aleluia” na TV Tupi com Fábio Júnior e Silvio Brito, “Revista Pop” da Editora Abril, etc. Na noite de 17 de novembro de 1975 Zé Brasil conhece a cantora Silvia Helena, filha de gaúchos descendentes de alemães e portugueses, nos camarins depois do show “Refazenda” de Gilberto Gil no Teatro Aquarius . Em 1976 lançam um compacto como Maytrea & Silvelena pelo selo “Atmosfera” de Malcom Forest distribuído pela “CBS”, gravado no Estúdio Sonima com Paulo Machado (arranjos e teclados), Gerson Frutuoso (baixo), Egídio Conde (guitarra) e Zé Brasil (bateria). O disco é lançado no show “‘Metamúsica” no Teatro Anchieta com participação de Chico Bezerra (poeta, cantor e compositor) e Edú Viola (cantor, compositor, violeiro e liutáio). Também como baterista Zé Brasil grava no “Estúdio Prova” o compacto “Treb Remmedy and the Candidates” dos cantores Treb Remmedy e Paul Leanne para ser lançado nos EUA e Canadá, com Steve Yolen (banjo e folk-guitar), José Pestana (flauta), Rodolfo Grani (baixo), Hareton Salvanini (teclados) e Carlão (violão de doze cordas). Em 1977 Zé Brasil e Silvia Helena recriam o Apokalypsis e se casam. Apresentam-se em teatros de São Paulo com o tecladista William “Billy” Forghieri (Blitz), os guitarristas Índio, depois Roberto Fernandes (Voga) e o baixista Osmar Murad (Sunday). Gravam a música “Forró Danado”, de Zé Brasil, no Estúdio Eldorado em 1978 como faixa do LP “Billy Bond y Los Jets” lançado na Argentina. Viajam para a Inglaterra e realizam o “farewell show” do Apokalypsis, em fevereiro de 1979 no Tramshed Theatre em Woolwich, arredores de Londres, com a participação dos músicos ingleses David Bradnum (guitarra) e Paul Hirch (baixo). Zé Brasil participa como percussionista de gravações de “reggae”, “disco” e ”funk” com artistas ingleses, jamaicanos e latino americanos em estúdios londrinos como “Gooseberry” e “CBS”, entre outros. Como baterista vai à audições, através de classificados nos semanários “Melody Maker” e “New Music Express”, de grupos ingleses de “rock”, “rhythm and blues” e “punk rock” como The Slits. Também como baterista ensaia com a banda de “heavy metal” Mean Machine e faz shows com a cantora Sandra Mara, brasileira radicada na Suécia. Em 1980, como José & Silvia, gravam no Free Range Studios em Londres, o compacto duplo “Brazilian Wave” pela gravadora “Natural Records” e distribuído na Inglaterra pela “Pinnacle Records”. Um grupo de músicos de diversas nacionalidades participam das gravações: os brasileiros William Forghieri (teclados). Roberto Fernandes, (guitarra) e João Bosco (percussão); os ingleses Andrew Bailey (guitarra) e Julian Ladbury (baixo); o neo-zeolandês Craig Price (baixo) e o indiano Robin Jones (percussão). “Brazilian Wave” foi co-produzido pelo empresário carioca sediado em Londres Clodomir de Castro. O disco é lançado na França em 1980 e na Espanha e Inglaterra em 1981. Zé Brasil e Silvia Helena realizam diversos shows em night-clubs, café-theatres, caves, boates, restaurantes, clubes, bares e teatros de Londres, Reading, Woolwich, Paris, Toulouse, Cannes e Barcelona. Destaque para os shows no Lyceum, Cafe Royal, The Venue, entrevistas para a Rede Globo com Bob Feith e BBC Radio com Ana Maria Cavalcante (Londres), shows no Via Brasil, Le Chevalier du Temple e Le Discophage (Paris), La Grange aux Belles e entrevista para a Radio France Inter (Toulouse), show no Blue Moon Club e disco no MIDEM (Cannes), apresentação na Casa de Andalucia e entrevista para a Radio España (Barcelona). Em fevereiro de 1981 Zé Brasil e Silvia Helena retornam ao Brasil e lançam o disco inglês numa série de apresentações em shows, rádios e TV. Sua banda de apoio, o trio “Delinqüentes de Saturno”, conta com Edgard Scandurra (IRA), Maurício Rodrigues (Ultraje a Rigor) e Victor Leite (Muzak), entre outros músicos da nova geração que surge. Destaques para os shows no Ginásio das Faculdades Oswaldo Cruz, Carbono 14, TUCA, Hong Kong e participações em programas de rádio de São Paulo e do interior. Alexandre, o primeiro filho de Zé Brasil e Silvia Helena nasce em dezembro de 1981. A menina Andréa nasce em maio de 1983 completando a família. Também em 83 Zé Brasil e Silvia Helena fundam o UHF. A estréia é na “Fábrica do Som” com Tadeu Jungle da TV Cultura no Teatro do Sesc-Pompéia. Em 1987 a família roqueira muda para Rio Claro, São Paulo. Tocam na Capital, Interior e Litoral paulista em teatros, bares, night-clubs, ginásios, clubes e danceterias. Participam e são premiados em festivais da Capital e do Interior. A última apresentação do UHF em São Paulo é no programa “Boca Livre” com Kid Vinil, também da TV Cultura, no Teatro Franco Zampari em 1989. Ainda em 89 lançam o LP “UHF” pela gravadora “Natural Records” gravado no Estúdio Master em São Paulo. Com Zé Brasil (direção musical, composição, vocal e bateria) e Silvia Helena (vocal solo) gravam Aquiles Faneco (guitarra), Beto Viana (baixo) e Ronaldo Zimmermann (flauta doce). Participam do UHF músicos como Akira S., Tuco Marcondes (Zeca Baleiro), Kim Kehl (Made in Brazil), Rodolfo Braga (Joelho de Porco) e Hugo Hori (Funk como Le Gusta). Destaque para os shows no Radar Tan Tan, no Rose Bom Bom, no Centro Cultural São Paulo, na Choperia do Sesc-Pompéia, no programa “Realce Baby” da TV Gazeta com Mister Sam e no programa “Balancê” com Fausto Silva na Rádio Excelsior FM. Desde 1988 Zé Brasil tem sua própria produtora, a “UHF Vídeo, Áudio e Multimídia”, e produz discos, jingles, trilhas, CD-ROMs, DVDs, programas de TV, vídeos empresariais, comerciais, documentários, computação gráfica, marketing político, etc. Seu selo “Natural Records”, criado em Londres em 1980, tem no catálogo um compacto duplo, dois LPs e dois CDs. No final do ano 2000 os Zimmermann Barreto retornam à sua cidade natal. Durante a comemoração dos 450 anos de São Paulo, em 2004, a música “São Paulo, Brasil” de José & Silvia, gravada em Londres em 1979, é selecionada pelo produtor Luis Calanca da “Baratos Afins” para o CD “Sim, São Paulo” da “Unimar Music”. O CD traz também uma faixa-bônus, inédita, com a versão de “São Paulo, Brasil” em português. Isso desperta no velho roqueiro e violeiro Zé Brasil a eterna paixão pela cidade natal. Acaba de compor a “Suíte Paulistana” em 2005. Tocando viola e cantando com a Silvia Helena, grava no Pro Tools do “Estúdio GAZ” de Fábio Gasparini (Magazine). Mixa com os sabiás e bem-te-vis da década de setenta, gravados da janela de sua casa na Rua Padre João Manuel, e fica em paz com seu coração O ano de 2005 é fundamental para Zé Brasil e Silvia Helena. Os dois retomam a carreira musical estimulados pela redescoberta do seu trabalho por Amarílis Gibeli (Near Mint Records), Luis Calanca (Baratos Afins), Bento Araújo (Poeirazine) e Mário Pacheco (Do Próprio Bolso). Zé Brasil acha em meio aos seus guardados uma letra: “Cabelos Dourados”. É um presente de Arnaldo Baptista na Serra da Cantareira em São Paulo quando companheiros na Space Patrol em 1973/74. Esse fato provoca em Zé Brasil a vontade de retomar o contato e a amizade com o amigo. Envia um e-mail para ele e recebe uma resposta, rara porque Arnaldo evita a Internet, quatro dias depois. A música toma conta da vida de Zé Brasil. Conhece o maestro e produtor Fernando Bustamante que começa a gravar no seu Pro-Tools a primeira versão de “Cabelos Dourados”. O guitarrista Norba Zamboni acrescenta as guitarras, Zé Brasil reprograma a bateria, Xandy Barreto remixa tudo na ilha da “UHF Vídeo, Áudio e Multimídia” e o rock da Cantareira renasce no século XXI. Em outubro de 2005 Zé Brasil escolhe Porto Alegre para fazer o pré-lançamento de “Cabelos Dourados” e participa dos programas do Mutuca (Rádio Ipanema FM) e, com Silvia Helena, do “Radar” (TV Educativa) graças ao apoio e amizade do guitarrista/designer Rafael Cony, da banda gaúcha Só Creedence e do “Estúdio M Design”. É uma viagem que fica guardada para sempre nos corações de Zé Brasil e Silvia Helena pelo carinho que recebem dos amigos e parentes do Rio Grande do Sul. Ao voltar para São Paulo, motivado pelos apelos dos amigos e fãs do Apokalypsis, Zé Brasil realiza um velho sonho: lança o CD “1975” com a gravação ao vivo do show “Rock da Garoa” no Teatro Bandeirantes em São Paulo na noite de 11 de outubro de 1975. Silvia Helena participa como co-produtora fonográfica, Nico Queiroz em Monte Verde (Minas Gerais) escreve o texto do encarte, Rafael Cony em Porto Alegre faz o design gráfico, com fotos da época de Grace Lagoa e da revista “Pop”. O CD é masterizado digitalmente por Renato Carneiro no “Overdrive Studio”, de Xando Zupo, em São Paulo e o lançamento acontece na “Nuvem Nove Discos” na Capital paulista em 17 de dezembro de 2005. Bento Araújo, editor da revista “Poeirazine” e um dos redescobridores do Apokalypsis, escreve uma nota sobre o fato. Na Internet o site “Whiplash” publica uma matéria de Marcos Cruz sobre o Apokalypsis e os sites “Senhor F”, de Fernando Rosa, e “Ziriguidum”, de Beto Feitosa, anunciam o lançamento do “1975”. Uma resenha de Alex Antunes sai na revista “Bizz” de fevereiro de 2006. A música “Suíte Paulistana” é tocada na abertura de todos os shows do evento “Paulistanos do Brasil” com direção artística de Eliana Calheiros no teatro do “SESC Ipiranga”, São Paulo, em janeiro de 2006. O fato mais importante de 2006, até agora, acontece após o reencontro, depois de mais de vinte anos, de Zé Brasil e Silvia Helena com amigos fundamentais dos anos setenta: Jaques Gersgorin, Arnaldo Baptista e sua mulher Lucinha Barbosa. Isso, juntamente com o apoio de muitos amigos da Internet que compram o CD “1975” e se tornam fãs do Apokalypsis, propicia a volta da banda do coração de Zé Brasil. Destaque também para a entrevista de Zé Brasil no programa “Rádio Matraca” de Laert Sarrumor que, ao completar vinte e um anos na Rádio USP FM, convida Jaques do Kaleidoscópio e executa pela primeira vez a música “Liberdade” do “1975”. Os músicos que participam dessa nova fase do Apokalypsis são Xandy Barreto, filho de Zé Brasil e Silvia Helena, na bateria, Camila Antonelli na guitarra e André Mainardi no baixo. Lá nas montanhas de Monte Verde, depois de ler esta saga, Nico Queiroz escreveu: “Tanta coisa aconteceu, muita coisa acontecerá! Esta história não acaba aqui, pois a mensagem do Apokalypsis é eterna e se alimenta da energia infinita da Música e das pessoas que vivem para mantê-la viva.” São Paulo, 15 de maio de 2006 Zé Brasil. Serviço: Rock and Roll com o Apokalypsis. Bagaça! Botequim & Petiscaria, dia 21 de setembro, às 21hs. Rua Clélia 2023 (esquina com a Jeroaquara) – Lapa – pertinho do antigo Olympia. fale com a gente: bagacabotequim@gmail.com.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s