Posts com Tag ‘Secos & Molhados’

capa_meteorico_chapada

No ano em que o lançamento do primeiro disco do grupo Secos & Molhados completa 40 anos, Gerson Conradpresenteia os fãs com Meteórico Fenômeno – Memórias de um Ex-Secos & Molhados, da Anadarco Editora, livro em que Gerson traz recordações da época em que integrou, junto com João Ricardo e Ney Matogrosso, a banda de sucesso estrondoso.

Conduzido nos anos 70 pelo produtor Moracy do Val, o grupo Secos & Molhados lotou ginásios e atingiu recordes de venda de discos de forma pioneira no Brasil.

Assistam o vídeo de “Rosa de Hiroshima”:

 

Livro intencionalmente breve e de fácil leitura, apresenta fotos de Ary Brandi e episódios curiosos sobre os primórdios do grupo, os primeiros shows, a irreverência dos rostos pintados e a sequência de acontecimentos que levou à dissolução daquela brilhante – porém curta – formação original.

O livro será lançado com a presença do autor Gerson Conrad no dia 19 de setembro, às 19h, na livraria FNAC Pinheiros, Praça dos Omaguás, 34 – Pinheiros.

www.livrariadaana.com.br

Anúncios

Amigos, no proximo sabado dia 07 de julho, as 18h pela http://www.mkkwebradio.com.br, Paulo Ragassi e Anabel Bian farao uma homenagem aos 40 anos de SECOS & MOLHADOS, com um depoimento exclusivo de Gerson Conrad.

Assistam o video de Gerson Conrad & Trupi de Rosa de Hiroshima em nosso canal do youtube:

No início dos anos 70, o Brasil parou diante da banda mais revolucionária e intrigante dos últimos tempos: SECOS & MOLHADOS. Milhões de cópias foram vendidas. Jovens, velhos e crianças cantavam suas músicas e queriam desvendar este fenômeno. Sua primeira apresentação aconteceu em maio de 1971, no “cavern club” do Bixiga, Kurtisso Negro. No palco, João Ricardo estava acompanhado por dois amigos: Fred e Antônio Carlos, mais conhecido como Pitoco. Os três faziam um som completamente estranho à época, pela união entre uma viola de dez cordas, um violão de doze, uma gaita e um bongô. Por causa disso muitas pessoas foram conhecer o grupo, entre elas Luli, cantora e compositora, com quem João Ricardo fez alguns dos maiores sucessos já gravados. Em julho de 1971, Fred e Pitoco resolvem seguir carreira solo, embora a banda tivesse sido convidada por Solano Ribeiro, à época produtor de discos e de programas de televisão, para gravar o primeiro disco no selo da Rede Globo, Som Livre. João Ricardo não aceita e passa a procurar um vocalista. Por indicação de Luli, vai ao Rio de Janeiro conhecer Ney de Souza Pereira, futuro Matogrosso. Em agosto do mesmo ano Ney muda-se para São Paulo e começam os ensaios do repertório que viria a figurar no primeiro LP dos Secos & Molhados. Curiosamente, a primeira gravação seria a música “Vôo” para a peça de teatro sob a direção de Antunes Filho, que faria parte do segundo álbum anos depois. Na realidade, apenas os dois começaram a ensaiar com a participação na platéia de um vizinho, que tocava eventualmente, chamado Gerson Conrradi, depois Conrad, incorporado mais por uma necessidade estética e uma canção genial. Duraram um ano os ensaios até que eles tocassem em público, no teatro do Meio do Ruth Escobar, que virou um misto de bar-restaurante chamado “Casa de Badalação e Tédio”. O sucesso foi enorme, atraindo centenas de pessoas, inclusive o futuro empresário e um convite para gravar o primeiro LP. No dia 23 de maio de 1973 entram no estúdio “Prova” para gravar em sessões de seis horas ao dia, por quinze dias, em quatro canais. Nada muito tecnologicamente excepcional, mas que venderia 300 mil cópias em apenas dois meses, quando a média dos artistas daquele tempo, era de 30 mil. A partir daí, os Secos & Molhados tornam-se o maior fenômeno da música popular brasileira, batendo todos os recordes de vendagens de discos até então. Em fevereiro de 1974 depois de uma temporada vitoriosa de um mês no teatro Teresa Raquel no Rio de Janeiro, a banda resolve despedir-se da cidade para uma tournée nacional, fazendo um show no Maracanãzinho que bateu todos os índices de público do local.

 

SHOW "BONS TEMPOS"

GERSON CONRAD, músico, compositor e intérprete, ex-integrante e um dos fundadores do grupo “Secos&Molhados”, volta à cena primeiro no PROGRAMA TAH LIGADO! do dia 09 de abril, e dia 16 com o show “BONS TEMPOS” acompanhado por sua nova banda “Trupi”. O show, que leva o nome de uma obra gravada em seu primeiro disco solo, reúne não só composições inéditas, como faz uma releitura de antigos sucessos do compositor, em arranjos muito bem alinhados. A música “Rosa de Hiroshima”, um poema de Vinícius de Moraes que Gerson Conrad eternizou em canção, tornou-se referência de repertório, que entre outros sucessos garantem a qualidade do show, marcado pela diversidade eclética de suas composições, tais como “El Rey”, um dos sucessos do grupo Secos & Molhados e as mais recentes, ainda inéditas “Olhares na Madrugada” (Gerson Conrad/Nilton Bustamante) e “Rosto Marcado”- esta, faixa – título de seu último CD lançado em 2002 pela Warner, quarto disco de sua carreira, sendo dois com os “Secos & Molhados”, 73 e 74, e um com Zezé Mota em 75. Serviço: Show ¨Bons Tempos¨ Dia 16 de abril de 2010 Hora: 22:00’hs Local: Café Paon Music Av. Pavão 950 – Moema – S.Paulo Informações e resrvas: (11) 5531.5633 e 5533.5100.

GERSON CONRAD & TRUPI EM BREVE NO TAH LIGADO!

Só quem sabe da influencia dos Secos & Molhados na música e no Pop-Rock brasileiro, entenderá o porque de meu entusiasmo neste texto! Gerson Conrad: Nasceu em São Paulo em 15/4/1952 e desde cedo se envolveu na música por influência familiar. Aos onze anos iniciou seus estudos de guitarra clássica com base na escola espanhola de Tarrega. Entre 16 e 17 anos fascinado pelos Beatles, a Bossa-Nova e a MPB, passou a participar de vários encontros culturais no Bairro do Bixiga, onde conheceu João Ricardo. Juntos planejaram desenvolver um trabalho que fosse original. Algum tempo depois, conheceram Ney Matogrosso e desse encontro nasceu o Secos & Molhados, grupo que marcou época no show-business entre 1972 e 1974. Após a dissolução do grupo gravou dois LPs solo. Atualmente com a banda “Trupi”, grupo de músicos que o acompanha apresentamo-se em show novo repertório e antigos sucessos com uma nova roupagem – como “Rosa de Hiroshima”, poema de Vinícius de Moraes que eternizado em canção, é referência de meu repertório. Suas músicas refletem o cotidiano. Tendências não segue, pois sua obra é universal em sua forma de expressão. Faz um pop-rock em seu contexto com pitadas de todas as influências que possa ter assimilado e prevaleço-me do fato de ser brasileiro. Sua “Trupi” tem a formação clássica das boas bandas. Carlinhos Machado – bateria e voz; Marcio Espíndola Brandão – baixo; Carlinhos Jr. (Jimi) – guitarras; Leandro Delpech – violas, violões e guitarras; Gerson Conrad – violões e voz. Só um exemplo desta OBRA UNIVERSAL: http://www.myspace.com/gersonconradtrupi. Maga Lieri & Paulo Ragassi terão mais uma vez a honra, e a felicidade de receberem Gerson Conrad & Trupi no PROGRAMA TAH LIGADO! do dia 09 de abril.